A combinação dos choques económicos e de saúde de 2020 impactaram os meios de subsistência de milhões de famílias, interromperam as atividades comerciais e expuseram as falhas nos sistemas de proteção social e saúde de hoje. A crise também acelerou ainda mais os efeitos da Quarta Revolução Industrial no comércio, formação, digitalização, concorrência e emprego, e destacou a desconexão entre nossos sistemas económicos e a resiliência social.

Neste momento, é fundamental não apenas refletir sobre a melhor forma de retomar o crescimento, mas também, como reconstruir economias melhores que melhorem os resultados para as pessoas e para o planeta. Esta edição especial Relatório Mundial da Competitividade fornece a base para apoiar uma reflexão mais profunda, fornecendo aos formuladores de políticas prioridades em três prazos: as prioridades que surgiram antes da crise, as prioridades que são críticas para o renascimento de curto prazo e as prioridades que são essencial para a transformação de longo prazo para melhores resultados na prosperidade compartilhada e sustentabilidade no futuro.

Esta edição especial, que conta com o contributo do Centro de Estatística Aplicada e Pesquisa Econométrica da INOVE – Consultores Empresariais, analisa as tendências históricas em fatores de competitividade, bem como as últimas ideias sobre prioridades futuras. Fornece recomendações contra três cronogramas:

  1. aquelas prioridades que emergem da análise histórica antes da crise de saúde;
  2. as prioridades necessárias para reiniciar a economia, além das respostas imediatas à crise COVID-19, ao mesmo tempo em que incorpora as pessoas e o planeta nas políticas económicas (renascimento nos próximos 1-2 anos); e
  3. as prioridades e políticas necessárias para reiniciar os sistemas económicos no longo prazo para alcançar a prosperidade sustentável e inclusiva no futuro (transformação nos próximos 3-5 anos).

Foram definidas 11 prioridades emergentes para os países alcançarem a transformação económica e caminhar em direção a uma integração completa das metas sociais, ambientais e institucionais nos seus sistemas económicos nos próximos cinco anos (aproximadamente):

  1. Garantir que as instituições públicas incorporem princípios de governança sólidos e uma visão de longo prazo e criem confiança ao servir os seus cidadãos;
  2. Atualizar a infraestrutura para acelerar a transição energética e ampliar o acesso à eletricidade e TIC;
  3. Mudança para uma tributação mais progressiva, repensando como as empresas, a riqueza e o trabalho são tributados, nacionalmente e numa estrutura cooperativa internacional;
  4. Atualizar os currículos de educação e expandir o investimento nas habilidades necessárias para empregos e “mercados de amanhã”;
  5. Repensar as leis laborais e a proteção social para a nova economia e as novas necessidades da força de trabalho;
  6. Expandir a infraestrutura de cuidados infantis e saúde, acesso e inovação para o benefício das pessoas e da economia;
  7. Aumentar os incentivos para direcionar recursos financeiros para investimentos de longo prazo, fortalecer a estabilidade e expandir a inclusão;
  8. Repensar a concorrência e as estruturas anti-monopólio necessárias na Quarta Revolução Industrial, garantindo o acesso ao mercado, tanto local quanto internacionalmente;
  9. Facilitar a criação de “mercados de amanhã”, especialmente em áreas que requerem colaboração público-privada;
  10. Incentivar e expandir os investimentos pacientes em pesquisa, inovação e invenção que podem criar novos “mercados de amanhã”;
  11. Incentivar as empresas a adotar a diversidade, a equidade e a inclusão para aumentar a criatividade.

O Relatório fornece caminhos para que os líderes tomem medidas proativas para incorporar políticas transformadoras, investimentos ousados e novos empreendimentos na recuperação. Tal abordagem requer uma visão corajosa e um equilíbrio matizado entre o curto e o longo prazo.

Espera-se que esta edição especial do Relatório Mundial da Competitividade sirva como uma chamada à ação para se engajar na liderança visionária e ousada necessária para construir uma nova agenda económica para economias crescentes, produtivas, sustentáveis e inclusivas que proporcionem oportunidades para todos. Este momento histórico não exige nada menos.

O Fórum Económico Mundial (World Economic Forum – WEF) é uma organização internacional para a cooperação público-privada. Criado em 1971 como uma fundação sem fins lucrativos, promove o envolvimento dos principais líderes políticos, empresariais e outros relevantes da sociedade no sentido de desenhar e estabelecer agendas globais, regionais e industriais em prol de um mundo melhor. Organiza, entre outras, a reunião anual de líderes em Davos.​

A INOVE – Consultores Empresariais é parceira do WEF – Fórum Económico Mundial há 10 anos. Trabalhamos proativamente no avanço da agenda de competitividade na economia cabo-verdiana através da avaliação anual de aspectos importantes do desenvolvimento socioeconómico do país e que acabam por fazer parte do Ranking.

Fazemos a avaliação da situação em domínios específicos, fornecendo percepções sobre os seguintes temas: ambiente macrofinanceiro e de negócios; coesão social e bem-estar; governança e instituições; conexão, acesso e infraestrutura; capacidade de inovação e novos produtos; sistema educacional e formação; mercado de trabalho e emprego, bem como enfoque transversal nas dimensões de equidade e justiça social. Os resultados complementam outros dados estatísticos para fornecer uma avaliação mais completa do ambiente de negócios e dos drivers de produtividade.

Ligações Úteis:

Leave a comment